É chute, adianto, mas deve ser uma câmara de tortura enfrentar um almoço, um café, um mate rápido que seja, com este Juvir Costella, secretário de Esporte e Turismo do Rio Grande do Sul. O sujeito que, em quatro meses, consegue atormentar um jogador de vôlei e uma miss Brasil, a ponto de os dois pedirem demissão dos respectivos cargos comissionados, não está no melhor das suas faculdades sociais.

Image for post
Image for post

Azar. Fosse Costella um camarada afável, encaminharia ideia esplêndida para alavancar o turismo do Rio Grande. Setecentos e oitenta quilômetros de carro, costurando seis cidades, num roteiro de batismo infalível: a Rota dos Treinadores Gaúchos, ou dos Técnicos, o que resulta na mesma sigla (RTG). Soa troça, mas o empreendimento é menos disparatado do que aparenta. Afinal, trata-se de um estado que tenta, com esforço, popularizar tanto a Rota das Gemas e Joias — que sai de Ametista (a cidade, e não a gema) e vai até Soledade — quanto a Rota das Águas e Pedras Preciosas — que também começa em Ametista do Sul e acaba em Vicente Dutra. A RTG é fichinha diante de tanta preciosidade.

Dividida em três dias, a Rota dos Técnicos Gaúchos parte de Taquara, na região metropolitana de Porto Alegre, terra de Oswaldo Brandão, primeiro gaúcho a dirigir a Seleção Brasileira, e segue até Caxias do Sul, onde nasceu Adenor Bachi, a.k.a. Tite. Animado, o ônibus ruma a Passo do Sobrado (Mano Menezes) e, de lá, a Passo Fundo (Luiz Felipe Scolari). No último dia, os turistas poderão conhecer Ijuí, berço de Dunga, e, exaustos (compreensivelmente), encerrarão os trabalhos na Santa Rosa de Argel Fucks. E Cláudio Coutinho?, se desespera o prefeito de Dom Pedrito. E Carlos Froner?, esperneia um vereador de São Borja.

Certeza que até a miss (preconceito, retiro), que até Costella (preconceito, mantenho) já pensou em itinerário mais civilizado: uma rota turística com escritores gaúchos a desbravar Alegrete, Cruz Alta, Quaraí, Santiago etc. Mas isso significaria incluir Porto Alegre — que, convenhamos, tiraria o charme da coisa — ou excluir Moacyr Scliar, Luís Fernando Veríssimo e João Gilberto Noll — que tiraria o charme da vida.

Image for post
Image for post

Além de traçar linha geográfica mais sensata do que a dos escritores, a agora insigne rota de técnicos permitiria entender — ainda que em gauchês — como o estado produziu, nos últimos oito anos e duas Copas, uma quantidade desproporcional de treinadores que ascenderam à Seleção Brasileira. Do fim da década passada e percorrendo esta, que já cambaleia pela metade, não houve um mísero que não fosse gaúcho: Dunga, Mano, Felipão e Dunga de novo. Não bastasse, aquele que mais se aproxima do conceito movediço da unanimidade também é de lá: Tite. Ironicamente, o único que nunca comandou essa tão gaúcha Seleção.

É a ironia, e não o Sul, o nosso país.

Podia ser mais debochado. Podia ser Argel Fucks. Soa parvoíce, mas é precaução. Rinaldi, coordenador de seleções da CBF, também é gaúcho e a lógica de Argel funciona numa espiral fora de todas as curvas: vai que sai um mate. “No segundo turno, só estamos atrás do campeão, desde o dia em que pisei aqui”, iniciou o técnico do Inter o seu discurso, depois de ganhar o Gre-Nal, há duas rodadas. “Disse que o alvo seria eu. Estão batendo em mim. Mas, quanto mais batem, mais forte eu fico”, bateu ele mesmo, só que no peito. Para, em seguida, completar: “Concordo que a gente não está jogando um futebol vistoso”, na única conclusão inquestionável da entrevista. A prefeitura de Santa Rosa alardeia no site oficial que a cidade “integra natureza, eventos e celebridades para atrair visitantes”. Sei que estão a falar de Xuxa, mas desconfio que Argel Fucks será de igual serventia.

Não é difícil, por exemplo, ver Fucks e enxergar Dunga. O cabelo, o sotaque, a vocação para sorrir como se aquele movimento provocasse espasmo nos rins e, claro, a malemolência típica para lidar com críticas. Mas vejo Fucks e só lembro do conterrâneo Noll: “A realidade está brincando de esconde-esconde comigo(…) Os meus sentidos se comportavam dispersos, não me permitiam fixar as imagens do mundo, concatená-las”, embarca o escritor, no seu livro “ruim”, Canoas e marolas. Lembrança que estabelece certo antagonismo entre Argel, o treinador, e Noll, o escritor. Não que Fucks tenha o mérito de algum lado “bom” — caso o Inter vá ao G-4, o técnico alcançará o maior feito da carreira — , mas seria uma bênção de São Pedro se a obra “ruim” do treinador fosse como a de Noll.

Image for post
Image for post

Argel se tornou técnico há pouca coisa, em 2008. Nesses sete anos, ele dirigiu — pode chutar, você vai errar — 17 equipes. Só em 2011, foram quatro: Guarani, Botafogo-SP, Caxias e Brasiliense. Por enfado ou por protesto — vai saber — , no time do DF, todos os treinos se limitavam ao pretérito e contraproducente coletivo. O clube passou constrangimento na Série C e a turnê nacional de Fucks — ao menos a de 2011 — acabou por ali. Por aqui, no caso. Por enfado ou por protesto, foi demitido com quatro jogos, três derrotas e 8,3% de aproveitamento. Oito vírgula três.

Argel tem 17% de chances de classificar o Inter à Libertadores. É um risco. Não para o São Paulo, também candidato à vaga, mas para a Seleção. Se conseguir a proeza, outros riscos se avolumam, calcula o matemático Tristão Garcia, também gaúcho, que jura não ter beneficiado o conterrâneo nas contas. Tristão, eu não sei, mas Fucks se aproveita do fato de que a realidade, essa histriônica, adora mesmo brincar de esconde-esconde. Um dia irreal e um gaúcho idem é tudo o que (a gente não) precisa.

Esta coluna é originalmente publicada às quintas no Correio Braziliense

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store